segunda-feira, 4 de julho de 2016

19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche, Land Rover e Volvo

19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche
19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche



O TCU (Tribunal de Contas da União) determinou nesta quarta-feira (7) ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) a imediata paralisação do programa de reforma agrária no país.

O programa atinge hoje 1,5 milhão de famílias e, pela decisão do órgão, não poderão ser mais cadastrados ou assentados novos beneficiários.

Na prática, o programa já está paralisado por falta de dinheiro, conforme mostrou reportagem da Folha de S.Paulo do mês passado.

De acordo com o TCU, sem a medida cautelar de interrupção de novos cadastros, o país poderia ter um prejuízo de R$ 2,5 bilhões até 2018.

A medida foi tomada após o tribunal identificar mais de 578 mil beneficiários irregulares do programa do governo federal, ao cruzar a base de dados do Incra com outros bancos de dados.

Entre as irregularidades na relação de beneficiários, foram identificados 1.017 políticos. Há também 61.965 empresários, 144.621 servidores públicos e 37.997 pessoas falecidas. Essas pessoas, pelas regras, não teriam direito aos lotes distribuídos no programa.

A auditoria revelou ainda que 19.393 dos cadastrados são donos de veículos de luxo, de marcas como Porsche, Land Rover e Volvo.



“O programa não está sendo efetivo ao permitir que indivíduos que não estão no público-alvo do PNRA [Programa Nacional de Reforma Agrária] ocupem o lugar do público esperado”, afirma o relator do caso, ministro Augusto Sherman.

Em sua defesa, o Incra informou ao TCU que já vinha fazendo cruzamentos para identificar problemas no cadastro, tendo retirado da lista 38 mil famílias que estavam irregulares.

Mas, segundo o órgão, as medidas estavam sendo tomadas de forma morosa, não se mostraram suficientes e havia risco de cadastramento de novos beneficiários irregulares.


12 comentários:

  1. Conta uma novidade no país da impunidade?

    ResponderExcluir
  2. Quê que isso minha gente? Calma isso é Brasil.

    ResponderExcluir
  3. Nada a comentar. No país da impunidade tudo se espera. Muito triste.enquanto isso quem realmente precisa fica a ver navios.

    ResponderExcluir
  4. Sem terra, mas com carro.

    ResponderExcluir
  5. Se vc tem um ex presidente que não tem um patrimônio, mora em apto emprestado de amigo, frequenta um sítio de amigo, anda jato particular de amigo. Então o resto da população tem direito a fazer essas coisas...😢😢😢😢

    ResponderExcluir
  6. É o jeitinho safado do brasileiro, depois querem ética dos políticos que os representam...

    ResponderExcluir
  7. quem paga essa mordomias somos nos trabalhadores de verdade agora cut mst movimentos que era pago com nosso dinheiro que hoje ta fazendo falta.

    ResponderExcluir
  8. Brasil um pais de corrupção desde o mais baixo eleitor ate ao mais Alto nível da Política, País onde quem rouba milhões de aposentados é posto em liberdade, e um que rouba um pacote de bolacha para matar a fome é esquecido no fundo de uma cela imunda, país onde Político corrupto defende Bandidos, e famílias tem ficar preso em casa porque os traficantes não os deixam sair. BRASIL O PAÍS DA IMPUNIDADE E DA CORRUPÇÃO.

    ResponderExcluir
  9. Como fazer reforma agraria para quem precisa, a burocracia deve ser enorme para eles e tão fácil para outros, a famosa impunidade dois pesos e duas medidas, basta ter padrinho, enquanto uns sofrem com o peso da chibata outros desfrutam de maneira escandalosa em todos os Ministério de Brasília e estados.

    ResponderExcluir
  10. Lamentável e triste, onde não tem corrupção? Estou começando a concordar que só o exército poderá resolver pois cansada a esses juízes fazendo tudo para fazer a turma do PT e outros a se safar. Cansada, desiludida, desanimada, decepcionada

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.