segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Cuba volta a depender do petróleo russo como no tempo da URSS

A Unión Cuba-Petróleo (CUPET) é a estatal única que fornece petróleo mas cai de decrepitude.
A Unión Cuba-Petróleo (CUPET) é a estatal que fornece petróleo mas cai de decrepitude.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Raúl Castro, presidente marxista de Cuba, se voltou para o ex-coronel da KGB que preside a Rússia, Vladimir Putin, para lhe implorar petróleo e derivados, noticiou a UOL. E de modo estável como nos velhos tempos de seu irmão Fidel e da URSS.

Venezuela detentora das maiores reservas mundiais de petróleo, sob a batuta de Hugo Chávez e do atual presidente Nicolás Maduro conseguiu a façanha de arruinar a produção. Milagres do populismo socialista!

Durante alguns anos, a Venezuela forneceu quase de graça os combustíveis que a ilha igualitária nunca conseguiu produzir ou substituir. Mas agora não dá mais.

Cuba cerceou ainda mais o uso de combustíveis derivados do petróleo e não tendo criado outras fontes relevantes de energia passa pior que a Venezuela.

A Rússia está com petróleo sobrando pela queda dos mercados internacionais, mas também tem urgência de dinheiro, pois está vendo o “volume morto” de suas reservas monetárias.

Mas Havana tampouco pode pagar. A Agência de Informação do Petróleo de Cuba apelou ao Kremlin pedindo preços favoráveis e financiamento.

Raúl Castro não esclareceu quanto Cuba precisa, nem as condições desejadas, mas i promete pagar o preço que Moscou fixar.

O Ministério de Economia russo advertiu ao Ministério da Energia de seu país, que a “capacidade de pagamento” cubana é “um risco importante”. Leia-se bem pode agir do mesmo jeito que com a URSS quando no fim não pagava.

Táxi em Cuba: sobe se couber. O transporte sobrevive com o mercado negro de combustíveis.
Táxi em Cuba: sobe se couber.
O transporte sobrevive com o mercado negro de combustíveis.
A Rússia fornece ainda um volume mínimo de petróleo à ilha da miséria e de modo intermitente e a exânime economia cubana não deve consumir muito.

O socialismo só sabe sobreviver sugando recursos dos países livres ou gerados pelas empresas privadas.

Porém a ideologia socialista e anti-capitalista prevalece até sobre as conveniências materiais.

Por isso, o eixo Moscou-Havana que nunca desapareceu, agora pode voltar à evidência com uma operação de salvamento energético.


segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Stédile se une ao Papa Francisco na luta de classes da Mãe Terra contra a liberdade e a propriedade privada

João Pedro Stédile no Vaticano e a revolução mundial
João Pedro Stédile no Vaticano e a revolução mundial
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Encerrou ontem, 5/11, no Vaticano o 3º Encontro Mundial dos Movimentos Populares, desejado pelo papa sobre os temas que lhe são caros: Terra, Teto e Trabalho.

Como não poderia deixar de ser, João Pedro Stédile, do MST, esteve presente, tendo sido um dos principais organizadores.

Sobre a reunião vaticana, o jornal italiano comunista-anarquista Il Manifesto entrevistou Stédile.

Il Manifesto – Quais são as expectativas dos movimentos populares?

Stédile – Desde que Francisco assumiu o pontificado, ele manifestou de diferentes formas a vontade de construir uma ponte com os movimentos populares, os trabalhadores excluídos, os povos nativos, os indígenas, com as pessoas de todas as etnias e religiões para analisar os graves problemas da humanidade que afligem a maioria da população.

Assim, construímos um caminho permanente de diálogo. Realizamos um primeiro encontro em 2014, depois um encontro mais latino-americano e, em seguida, um encontro de massa na Bolívia, em agosto de 2015.

E, agora, continuamos com este terceiro encontro, que reúne mais de 200 companheiros de todos os continentes.

Avançaremos na discussão sobre questões candentes da humanidade, que dizem respeito a todos: a democracia burguesa hipócrita que não respeita a vontade da população; a apropriação privada dos bens comuns da natureza, e os temas que são levantados pelos refugiados em todo o mundo. (...)

Mas, enquanto isso, continuam os homicídios de ambientalistas, daqueles que defendem os territórios e os recursos, de Honduras à Colômbia.

Encontro promovido pelo Vaticano foi ocasião para propaganda política lulopetitsta.
Encontro promovido pelo Vaticano foi ocasião para propaganda política lulopetitsta.
A deputada indígena Milagro Sala ainda está presa na Argentina, e, no Brasil, Michel Temer escancara as portas para as multinacionais dos transgênicos.

(...) Nesse sentido, desde o primeiro encontro, fomos muito longe no debate.

A encíclica Laudato si recolhe essas reflexões comuns na doutrina cristã, mas também as divulga entre os ambientalistas e os movimentos populares.

Essa encíclica é o nosso principal instrumento para aumentar a consciência e o debate em todo o mundo. Francisco conseguiu fazer uma síntese do problema ambiental que nenhum pensador de esquerda tinha feito antes.

Muitas coisas, infelizmente, mudaram desde o segundo encontro: no Brasil, na Argentina...

Il Manifesto –  Para o Bicentenário da Independência da Argentina, o papa enviou uma mensagem abertamente “bolivariana”. Como se evidencia o tema da Pátria Grande neste encontro? E o que você pensa sobre o diálogo entre Maduro e a oposição, assumido pelo Vaticano na Venezuela?

Stédile – O Papa Francisco conhece muito bem toda a América Latina, desde os tempos em que ajudava a coordenar os encontros do Conselho Episcopal Latino-Americano. No último, realizado no Brasil, ele coordenou a redação do documento final.

Eu acho que ele assumiu um compromisso profundo com todos os pobres, os trabalhadores, que provém do Evangelho. E ele sabe que a maioria em todo o continente continua sendo explorada por uma minoria, 1% dos capitalistas. (...)

É positivo que o papa tenha mantido uma atitude de negociação no caso da Venezuela, porque a direita pede a guerra, quer afundar o governo, como já fez em Honduras, Paraguai e Brasil, com golpes institucionais. (...)

Francisco I articulou líderes de movimentos sociais do mundo inteiro
Francisco I articulou líderes de movimentos sociais do mundo inteiro
Il Manifesto – E em que ponto estão as lutas dos movimentos populares no Brasil e na América Latina?

Stédile – O Brasil vive uma grave crise econômica, política, social e ambiental, como todo o continente. Diante disso, os governos subordinados aos interesses dos Estados Unidos e das suas empresas estão implementando políticas neoliberais cada vez mais selvagens (...).

Porém, no Brasil e em toda a parte, há reações, mobilizações populares. Embora estejamos resistindo, estamos em uma situação de refluxo do movimento de massa em geral, em todo o continente.

Mas eu acredito que, por causa das condições objetivas e da situação política, os problemas vão se agravar, e, muito em breve, a classe trabalhadora e a juventude vão sair às ruas: mas não só para protestar, mas para exigir novos modelos de política econômica, novos programas, novos governos.

Estamos nesse ponto, tentamos aumentar a conscientização, organizar os movimentos populares para que lutem e para ver se, no futuro próximo, o movimento de massas se levanta, tanto no Brasil quanto em vários países do continente atingidos pelo neoliberalismo.

E há sinais nesse sentido, porque a juventude começa a se mover.

Já temos mais de 1.000 escolas secundárias ocupadas pelos estudantes, e agora as universidades também começaram. Já são dez, incluindo os estudantes da Universidade de Brasília, que ocuparam a universidade nessa terça-feira.

Stédile fala desde o Vaticano sobre a nova revolução do século XXI:




(Fonte: GPS do Agronegócio, domingo, 6 de novembro de 2016)

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Mordaça e repressão ideológica
até no futebol venezuelano

"Não há papel e não sabemos quando"
A degradação quotidiana: "Não há papel e não sabemos quando"
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A equipe da seleção argentina que foi participar dos jogos eliminatórios na Venezuela foi avisada para levar o essencial: papel de toilette e alimentos, embora tivesse reservado um hotel cinco estrelas, registrou o jornal “La Nación” de Buenos Aires.

Os jornalistas verificaram que a corrida de táxi de 10 minutos até o centro da cidade de Mérida, local do jogo, podia custar 600 bolívares (93 centavos de dólar), ou 1100, ou 900. Refrigerantes, cerveja, um prato de comida, todos os preços navegavam na incerteza.

Os habitantes explicavam que “tudo é relativo, os preços mudam todos os dias”. Único ponto de referência era o salário. A metade da população recebe o ordenado oficial de 22.576 bolívares (cerca de 100 reais) e mais 42 mil em bônus de alimentação.

O quilo de farinha de milho, alimento nacional por excelência, custa 190 bolívares, de acordo com os preços do governo, mas não se encontra: é preciso pagar entre 1.600 e 2.000 bolívares.

Um quilo de queijo no mercado negro custa entre 3.500 e 4.000 bolívares, o quilo de carne entre 3.800 e 4.500, o quilo de leite em pó, 5.000. Quatro rolos de papel higiênico custam na rua 1.800.

O FMI teme uma inflação de 700% neste ano.

A confusão é máxima quando se fala das taxas de câmbio, porque há três: as duas oficiais e a do mercado negro. A taxa oficial, para alimentos e remédios, é de 10 bolívares; para os demais produtos é de 646 bolívares.

O negro estaria estagnado em 1.000, mas é perigoso obtê-lo. Não há notas de bolívares para comprar: a nota mais alta é de 100 bolívares, que equivale a 15 centavos de dólar ou 48 centavos de real. É habitual ver pessoas circulando pelas ruas com grandes pacotes de notas.

“Hoje, o venezuelano só pensa em comida, nada de espairecimento ou lazer”, explicava Perozo, jornalista venezuelano de Maracaibo.

Comprar entradas para jogo de futebol era luxo reservado a poucos. Menos para os apaniguados do regime, para os quais a estatal do petróleo PDVSA repartia ingressos aos montes. O governo tinha um objetivo ideológico: evitar que das grades partisse o cântico “Este Gobierno va a caer”.

Por sua vez, segundo “La Nación”, os jogadores venezuelanos guardavam estarrecedor mutismo sobre a situação de miséria e doença que eles conhecem, com pacientes graves beirando a morte por falta de medicamentos.

O Estado assumiu as despesas e o controle da seleção “Vinotinto”. A maioria deles joga no exterior e não quer se expor a represálias por parte do governo.

A voz de qualquer dos jogadores mais conhecidos poderia suscitar uma onda de críticas. Salomón Rondón, que joga na Inglaterra, ousou dizer em entrevista ao “The Guardian” que “a vida em Caracas já não é vida. Você é assediado pela incerteza de ser morto, se você sai para trabalhar não sabe se volta para casa. É um caos. Eu sofro pela minha família, temo que sejam sequestrados. Quando vou visitá-los, tento passar despercebido, não ser visto por ninguém”.

Por causa dessa declaração, Rondón, ídolo da “Vinotinto” foi repreendido pelo presidente da Federação Venezuelana de Futebol, dependente do dinheiro do governo.
Jogadores assaltados. Todos temem as represálias do governo se dizerem algo
Jogadores assaltados. Todos temem as represálias do governo se dizerem algo.
E os jornalistas venezuelanos não se atrevem a interrogar os esportistas. Pois temem que por uma mera pergunta, o governo socialista lhes tire a licença para exercerem a profissão.

Ninguém foge da mordaça oficial, conclui “La Nación”.

A impunidade do crime organizado também ligado à máquina ideológica socialista piora as coisas. A delegação completa do clube Trujillanos foi sequestrada numa estrada durante duas horas e meia na semana prévia a um jogo pela Copa Sul-Americana.

O local fica a 240 quilómetros da capital Caracas, e a delegação foi despojada de todos seus pertences ficando de torso nu. Os criminosos agiram com armas de alto calibre e ameaçaram explodir o ônibus com granadas se havia algum sistema de localização satelital ligado, noticiou “Clarín”.


segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ditadura chavista: vergonha do gênero humano
é triunfo da Teologia da Libertação - 2

Forças Armadas intervêm para reprimir famintos ou necessitados de remédios.
Forças Armadas intervêm para reprimir famintos ou necessitados de remédios.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) da Venezuela reconheceu – e seus números devem ser revistos para pior – que no primeiro semestre de 2015, 33,1% da população ou 2.434.035 famílias estão em situação de pobreza. E que 9,3% dessas – 83.370 famílias – estão na pobreza extrema.

O salário mínimo integral oficial, que inclui bolsas e bônus para a alimentação, é de 65.056 bolívares (203 reais, pela cotação do mercado paralelo, o único que funciona). Então muitos não conseguem comer durante todo o mês.

Não espanta, pois, que uma multidão enfurecida tenha perseguido o presidente venezuelano Nicolás Maduro, na pequena localidade de Villa Rosa, na turística ilha Margarita, como documentou “Público”, entre outros.

A ilha é um paraíso turístico, mas os hotéis não têm mais papel de toalete, sabonetes e insumos básicos, porque nem os proprietários têm. A frequência dos clientes caiu pela metade.

Ele foi inaugurar à noite um complexo de residências sociais, quando foi rodeado por populares, que ele de início julgou tratar-se de simpatizantes.

Quando se deu conta de que estava a ponto de ser linchado, a única saída que teve o “popular” presidente foi de sair correndo com as próprias pernas. Nas redes sociais foram colocados vídeos com as espantosas cenas.

Maduro foi recebido com uma “caçarolada” e gritos de que o povo tinha fome. Ele tentou falar com a multidão, mas gritaram-lhe obscenidades e começaram a persegui-lo, segundo descreveu o New York Times. Maduro chegou a arrebatar a caçarola de uma mulher que protestava.

A repressão se fez sentir logo. Perto de 30 pessoas foram detidas. Uma delas é Bráulio Jatar, diretor do jornal online Reporte Confidencial, o primeiro a divulgar a notícia e os vídeos da perseguição ao presidente.






Em Caracas, a oposição reuniu por volta de um milhão de pessoas no protesto denominado “Tomada de Caracas”, e anunciou marchas similares em todo o país.

“As panelas vão continuar a fazer-se ouvir, é uma forma de protesto pacífica! O que vão fazer? Tirar as panelas do povo?”, intimou, no Twitter, um dos líderes da oposição, Henrique Capriles.

Degradantes brigas para conseguir alimentos controlados pelo socialismo.
Degradantes brigas para conseguir alimentos controlados pelo socialismo.

Compreende-se o que ele quis dizer, mas a paranoia do governo bolivariano pode chegar ao absurdo de confiscar as panelas, como já o fez o maoísmo na China no Salto Adiante.

O ministro da Informação, Luis Marcano, divulgou um vídeo no Twitter de Maduro, apresentando-o com o punho erguido, mandando beijinhos e sendo aplaudido em Margarita.

O mesmo Ministério da Informação divulgou fotos truncadas de anos anteriores como se fossem da manifestação de apoio a Maduro e contra a “Tomada de Caracas”, quando a manifestação governamental reuniu na realidade apenas um punhado de chavistas pagos.



segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Ditadura chavista: vergonha do gênero humano
e triunfo da Teologia da Libertação - 1

Hospitais em estado miserável.
Hospitais em estado miserável.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O precipício da miséria induzida parece não ter atingido o fundo. Quando se diria que mais baixo não se pode cair, os ditadores socialistas inventam uma degradação maior.

Agora na Venezuela haverá um general-em-chefe encarregado do arroz, outro do frango, outro do óleo, até completar os 18 produtos alimentares e farmacêuticos básicos, segundo ordenou, no programa televisado “En contacto con Maduro”, o superministro da Defesa, Abastecimento e Produção, Vladimir Padrino López, informou “Clarin”.

O superministro está executando um programa desenhado pelo presidente Nicolás Maduro para fiscalizar as empresas privadas.

Na prática, a aplicação já está se vendo: a tropa confisca os produtos e os distribui entre os simpatizantes chavistas.

O ministro anunciou com ufania oca que “os objetivos de visita às empresas [de alimentos] e acompanhamento foram cumpridos a 100%”.

Agora a ofensiva ditatorial vai se concentrar na distribuição de remédios. “Não podemos permitir que a distribuição de medicamentos continue nas mãos dos privados tendo nós os meios que nos deixou o comandante Hugo Chávez”.

O presidente Maduro informou que já foram fiscalizadas 791 empresas em todo o território nacional.

O confisco atingirá também as sementes e o ministro anunciou que já está em formação uma brigada de 250 fiéis que porão logo mãos à obra.

A militarização do país triplicou sob a presidência do aliado do comunismo cubano.

Há 12 anos o falecido Hugo Chávez tinha tirado a tropa dos quartéis para venderem frango e tomate. O resultado está à vista, ou seja, já não se vê frango nem tomate.

As crianças venezuelanas andam de barriga inchada e quase a metade dos habitantes perdeu peso, segundo a Sociedade Venezuelana de Puericultura e Pediatria, acrescentou o jornal “Clarín”.

Huníades Urbina Medina, presidente dessa Sociedade, explicou que por causa da fome que destrói a saúde do povo, “vamos ter uma geração de deficientes físicos do ponto de vista cognitivo, morfológico e psicológico”.

Recém-nascidos em caixas de papelão no hospital de Barcelona, estado Anzoátegui.
Recém-nascidos em caixas de papelão no hospital de Barcelona, estado Anzoátegui.
“No hospital Domingo Luciani (no estado de Miranda) registramos entre 15 e 20 casos de desnutrição severa em um mês. O problema é que a criança não cresce nem se desenvolve, e quando tratada já não se recupera”, explicou.

“As famílias conseguem no máximo ter uma ou duas refeições por dia, e de muito má qualidade, puro carboidrato. Temos crianças que a gente vê gordas, mas que de fato estão inchadas porque estão retendo água por causa do consumo excessivo de farinhas”, acrescentou.

Pelo menos quatro crianças morreram de desnutrição severa no rico Estado petrolífero de Zulia. Uma criança de 18 meses perdeu a vida porque passou mais de 72 horas sem ingerir alimentos, segundo contou a mãe ao jornal “La Verdad”.

Não se encontram 85% dos alimentos e 95% dos remédios. A inflação pulou a 180% anual em 2015. Os analistas locais preveem que ela ascenderá a 700% ou mais neste ano.

As crianças são levadas à escola com a esperança de receberem algo para comer. Nos últimos meses, vários professores e pais de alunos contaram casos de alunos que desmaiaram de fome nas aulas.

No hospital Domingo Guzman Lander, no estado de Anzoátegui, a carência de incubadoras para os recém nascidos força a que eles tenham como berços caixas de papelão usadas.

A deprimente foto foi difundida nas redes sociais por Manuel Ferreira, diretor de Direitos Humanos da Mesa de Unidad Democrática (MUD), grupo político oposicionista, noticiou “Clarín”.


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Uma Igreja tribal, ecológica, “autóctone”
e pós-comunista na Amazônia?

O Papa Francisco quer uma igreja autóctone na Amazônia, segundo Cardeal Hummes.
Foto: na JMJ Rio de Janeiro julho 2013
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Muito próximo do Papa Francisco, o vaticanista Marco Tosatti, colunista do “La Stampa” de Turim e de seu site religioso “Vatican insider”, revelou em sua página pessoal o que vinha sendo comentado “a boca chiusa” em Roma: o Papa prepara em silêncio um sínodo sobre a Amazônia.

O Sínodo não seria brasileiro, mas transnacional, incluindo todas as dioceses da região amazônica vista como uma realidade superior às nove nações que exercem sua soberania sobre partes dela.

O tema central anunciado é a ecologia. Mas não se trata de cristianizar a realidade ecológica da Amazônia, mas de “ecologizar” a Igreja Católica, dissociando-a de seu passado missionário e modelando-a segundo o modelo comuno-tribal excogitado pelo ambientalismo mais radical.

O instrumento escolhido para preparar o evento é o cardeal brasileiro D. Claudio Hummes, 82 anos, arcebispo emérito de São Paulo e ex-prefeito da Congregação para o Clero.

Ele está trabalhando intensamente há alguns anos no projeto pontifício. Já visitou 22 das 38 dioceses da Amazônia e o Papa lhe teria dito para apressar mais a agenda.

Muitos se lembram da destacada presença de Dom Cláudio na loggia de São Pedro quando Francisco I nela se apresentou logo após sua eleição.

O agitado Sínodo da Família, ainda fortemente controvertido, e seguido da não menos controvertida exortação sinodal Amoris Laetitia, atrasou o Sínodo de uma sonhada igreja comuno-tribal na maior floresta úmida da Terra.

Após queda do PT, o Sínodo Pan-Amazônico abre nova via para o comuno-progressismo. D.Cláudio Hummes abraça Lula na missa do Dia do Trabalho 2003. Hoje, é o articulador do Sínodo anarco-tribalista. Foto: Ana Nascimento-ABr
Após queda do PT, o Sínodo Pan-Amazônico abre nova via para o comuno-progressismo.
D.Cláudio Hummes abraça Lula na missa do Dia do Trabalho 2003.
Hoje é o articulador do Sínodo anarco-tribalista. Foto: Ana Nascimento-ABr

A Rede Eclesial Pan-Amazônica – REPAM foi fundada oficialmente em setembro de 2014, pretendendo dar continuidade às CEBs, muito diminuídas pela sua ligação com a Teologia da Libertação.

Segundo ela se define, a REPAM não tem uma finalidade católica como seu nome sugere, mas de apoio aos indígenas na “luta em defesa de sua sabedoria ancestral, de seus territórios e pelo seu direito a uma ‘participação efetiva nas decisões’ que dizem respeito a sua vida e a seu futuro. Reconhece e valoriza sua espiritualidade na relação com a Criação”.

Partilha, pois, as metas do famigerado CIMI.

A REPAM e, por conseguinte, o anunciado Sínodo Amazônico, visa planejar “como construir um modelo de futuro pan-amazônico em harmonia com a natureza”. A doutrinação desse modelo já está escrita e contida na encíclica Laudato Sì do Papa Francisco.

O plano é muito vasto, mas o ponto que de imediato atraiu a atenção é a criação de uma espécie de “sacerdotes casados”, que provocariam o fim do celibato eclesiástico no rito latino.

Tosatti dá entender essa meta final falando de “uma espécie de administradores leigos dos sacramentos, que substituam os sacerdotes. Mas há quem veja neste projeto a ponta da cunha para modificar as regras referentes ao celibato dos sacerdotes no rito latino”.

De fato, o Cardeal Hummes protagonizou em 2006 um não pequeno escândalo, após sua despedida da Arquidiocese de São Paulo para ocupar a Congregação do Clero a pedido do Papa Bento XVI.

Na ocasião, recebendo a funcionários da Cúria paulista, ele acenou com o fim do celibato dos padres.

“Embora os celibatários façam parte da história e da cultura católicas, a Igreja pode refletir sobre essa questão, pois o celibato não é dogma, mas uma norma disciplinar”, disse, segundo noticiou “O Estado de S. Paulo” (02-12-2006 – “Igreja poderá precisar de padres casados”).

O então ministro da Justiça Tarso Genro, em cerimônia Kuarup pelos mortos no Xingu, 2007. O ideal comuno-missionário é via de saída para as esquerdas Foto: Beth Begonha-ABr
O então ministro da Justiça Tarso Genro, em cerimônia Kuarup pelos mortos no Xingu, 2007.
O ideal comuno-missionário é via de saída para as esquerdas Foto: Beth Begonha-ABr
Essas declarações foram muito ecoadas pela imprensa anticlerical e progressista. Assim que desceu do avião em Roma, um representante da Santa Sé lhe apresentou o texto de uma retratação, que acabou sendo publicada em página inteira no jornal vaticano “L’Osservatore Romano”.

Agora, segundo Tosatti, D. Hummes voltou à carga dizendo que fala em nome do atual Papa.

Tendo pregado retiros para bispos, sacerdotes e encarregados de pastoral sobre o Sínodo que está sendo planejado para a Amazônia, D. Hummes insistiu para que todos discutam abertamente o celibato, garantindo que nada devem temer por parte da Santa Sé. Esta outrora considerava revoltosa a dúvida e a contestação desse preceito eclesiástico no rito latino.

O Sínodo serviria de pretexto para subverter a doutrina e a disciplina do sacerdócio. Segundo Tosatti, a extensão do território, a dispersão da população e a falta de padres justificariam a violação da norma tradicional.

Tosatti menciona alguém não identificado, que durante uma conferência de D. Cláudio propôs que fossem solicitados dois sacerdotes a cada uma das Ordens missionárias existentes.

Mas o Cardeal teria respondido: “Não, não, o Papa não quer isso. Depois do Concílio não devem existir mais missionários, cada povo deve se evangelizar por si mesmo; só clero autóctone, sacerdotes e bispos até sem formação acadêmica”.

Acrescenta Tosatti: “E prosseguiu dizendo que se antes era tabu falar de padres casados, agora se pode falar tranquilamente; falai entre vós. O Papa lhe teria aconselhado dizer aos bispos que ordenem um grande número de diáconos permanentes.

O objetivo seria abrir a estrada para a ordenação de leigos casados para suprir a carência de sacerdotes”.

O Cardeal está impulsionando o envio de cartas dos bispos ao Papa pedindo autorização para realizar o Sínodo. Atendendo a esses pedidos, Francisco I aprovaria a reunião.

Religiosa na Missão Anchieta entre os indígenas da Amazônia, modelo da evangelização e de civilização  que o Papa Francisco não quereria, segundo D.Claudio Hummes.
Religiosa na Missão Anchieta entre os indígenas da Amazônia,
modelo da evangelização e de civilização  que o Papa Francisco não quereria,
segundo D.Claudio Hummes.
A ideia de sacerdotes “leigos” na realidade vem de longe, sobretudo na Alemanha, que nada tem a ver com a realidade amazônica, mas que por afinidade teológica financia a operação em andamento através da Caritas.

A relativização do celibato eclesiástico, entretanto, é apenas um aspecto introdutório da “igreja que se evangeliza a si própria”.

Essa nova-Igreja surge como se Jesus Cristo tivesse errado ao mandar: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi”. (Mateus 28, 19-20)

E também: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado” (Marcos 16, 15-16).

O Sínodo poderá se tornar a realização mais ousada do projeto comuno-missionário de uma Igreja ecologista e tribal, adaptada a cultos totêmicos portadores de “mensagens” confusas ou de fulgurações de misteriosos mundos que poderão se manifestar na inculturação ou falsa “autoevangelização”.

Esse novo Sínodo ainda dará muito que falar.


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Acomodações nojentas
no primeiro hotel americano em Cuba

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Michael Weissenstein, jornalista da Associated Press, estava acostumado com o prosaísmo dos hotéis nos países socialistas, pois, segundo relata, viveu uma série de histórias de terror desde que mudou para Cuba em 2014. Ele contou tudo numa reportagem publicada pelo jornal “Clarín” de Buenos Aires.

Mas um dia soube que a gigantesca rede hoteleira norte-americana Starwood tinha assumido o Hotel Quinta Avenida, até então administrado pelo exército cubano na outrora elegante região de Miramar, em Havana.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Farmácias vendedoras de maconha
na mira dos narcotraficantes

Farmacêuticos uruguaios na mira dos narcotraficantes.
Farmacêuticos uruguaios na mira dos narcotraficantes.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Cinquenta farmácias uruguaias manifestaram no mês de junho (2016) disposição de vender maconha em suas lojas.

Elas acompanharam a decisão libertária do governo do presidente bolivariano e ex-guerrilheiro José Mujica, aprovada em 2012 e ainda em vias de implementação.

Porém, dois anos e meio após a aprovação da lei de produção e comercialização legal da droga, essas farmácias verificaram terem-se metido em uma perigosa enrascada, segundo informou o jornal “Clarín” de Buenos Aires.


O pretexto da imoral lei foi combater o narcotráfico, considerado o principal agente do crescimento da violência e da insegurança. O sofisma aduziu que legalizando a droga se tiraria mercado aos narcotraficantes.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Mais de 10% da população latino-americana
descendem de nobres

Casamento de Martín García de Loyola (parente de Santo Inácio)
e Beatriz Clara Coya (da família real dos Incas).
Igreja da Companhia, Cusco, Perú, século XVII
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Entre 10% e 15% da população latino-americana atual descendem de nobres espanhóis e portugueses, segundo as pesquisas genealógicas e demográficas do sociólogo colombiano Mario Jaramillo e Contreras, membro da Junta Diretiva da Real Associação de Fidalgos da Espanha (RAHE), noticiou a UOL.

Jaramillo investigou durante anos o impacto dos descendentes da nobreza espanhola e portuguesa na população latino-americana.

E defende a necessidade de se desmitificar a “lenda negra” que identifica como “delinquentes ou aventureiros sem escrúpulos” a grande maioria dos espanhóis que embarcaram nos séculos XV e XVI com destino às terras americanas.

“Foram milhares os nobres que embarcaram naquelas viagens, com a ideia de conhecer o Novo Mundo, primeiro”, e a fim de “contribuir para seu desenvolvimento político, econômico e cultural”, argumenta.

O especialista assegura que foram eles “os grandes protagonistas no descobrimento e colonização da América Latina”.

Jaramillo acrescenta que os processos americanos de independência em relação à Espanha e a Portugal no século XIX “não se entenderiam sem a participação direta de nobres”.

Por isso, ressalta ele, “os conceitos de nobreza e fidalguia são avaliados muito positivamente na América Latina”.

O sociólogo diz tratar-se de conceitos “que envolvem orgulho em boa parte da população” latino-americana.

Por isso também “poucos são os que não quiseram conhecer as origens de seus sobrenomes”.

Formado em Direito, doutor em Sociologia e com estudos posteriores na Universidade de Harvard, Mario Jaramillo foi professor em centros universitários da Colômbia, Espanha e EUA.

María de la Luz Padilla y Cervantes. Nicolás Enríquez (1735), Brooklyn Museum.
María de la Luz Padilla y Cervantes.
Nicolás Enríquez (1735), Brooklyn Museum.
Sua análise histórico-sociológica projeta luzes que ajudam a entender o assanhamento das minorias marxistas latino-americanas contra as elites locais, associadas muitas vezes à fundação, desbravamento, civilização e evangelização do nosso continente.

Na perspectiva marxista, seja a de origem soviético-chinesa, seja a pregada pela Teologia da Libertação, há uma analogia profunda.

O “sans-culotte” da Revolução Francesa degolando rei e nobres, e o bolchevista chacinando nobres e burgueses têm seus assemelhados latino-americanos.

Eles são os militantes dos “movimentos sociais” e das CEBs, contrários aos proprietários agrícolas e urbanos, aos brancos, aos missionários e aos filhos de Nossa Senhora engajados na grande obra evangelizadora e civilizadora de nosso continente outrora submerso na ignorância, na miséria, na superstição e até em práticas indígenas satânicas.

O trabalho do Dr. Jaramillo desvenda um aspecto da nossa realidade que desperta o ódio de classe do marxismo e da teologia da libertação.

Ódio que também atiça o “nós contra eles” do lulopetismo e do “socialismo do século XXI”.


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Livro denuncia montagem verde
contra agricultores e pecuaristas

Richard Jakubaszko
Richard Jakubaszko
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




“Questões ambientais não são de causa antropogênica, ou seja, não foram causadas pela ação humana”: é o que concluiu o jornalista Richard Jakubaszko após longos anos de estudo e análise.

Ele expôs suas conclusões em substancioso livro: “CO2, aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?” (DBO Editores Associados, São Paulo, 2015, 287 páginas).

O autor explica que “depois de mais de 8 anos estudando a fundo quase todas as ‘acusações’ e ‘ameaças’ dos ambientalistas, em que um mosaico multifacetado de problemas devastadores são divulgados no dia a dia, especialmente através da mídia, acabei por me deparar diversas vezes com a aversão humana ao debate de ideias, manifestada por contestações”.

Jakubaszko não é o primeiro em fazer esta dolorosa constatação. Já há muitos anos distintos cientistas brasileiros e estrangeiros vem sofrendo essa “aversão à razão” na própria pele. Até com injusta marginalização pessoal pela mídia e órgãos científicos dependentes das recursos de governos e organismos internacionais.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Presidente tenta impor falsa paz
que o povo colombiano recusa

Presidente Juan Manuel Santos faz todas as contorções legítimas e ilegítimas para impor uma 'paz' que Colômbia recusa em peso.
Presidente Juan Manuel Santos faz todas as contorções legítimas e ilegítimas
para impor uma 'paz' que Colômbia recusa em peso.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O grupo terrorista Frente Primero Armando Ríos, que opera na selva ao sudeste da Colômbia e constitui uma parte-chave das Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia (FARC), declarou que vai continuar “a luta pela tomada do poder pelo povo e para o povo”. Muito ativo no narcotráfico, foi essa Frente que sequestrou a ex-candidata presidencial Ingrid Bettancourt.

A especialista em América Latina do “Wall Street Journal”, Mary Anastasia O’Grady, sublinhou enfaticamente o que inúmeros colombianos pensam: “muitas concessões do governo não são suficientes. As FARC querem mais”.

E os colombianos tampouco querem mais saber da abstrusa dança das “conversações de paz” de Havana, ainda que estas se realizem com as bênçãos do Papa Francisco e de episcopados, e com o incondicional apoio de organizações internacionais e da grande mídia.

Em junho, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, foi a Havana para assinar um acordo bilateral de cessar-fogo com as FARC. Muitos jornais dos EUA e da Europa comemoraram, além de eclesiásticos irenistas intoxicados de “comuno-progressismo” teológico.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Enquanto Cuba multiplica controles e exigências, médicos cubanos deixam o Brasil

Médicos cubanos chegam ao Brasil e Havana exige mais dinheiro. Foto: Erasmo Salomão Ministério da Saúde.
Médicos cubanos chegam ao Brasil e Havana exige mais dinheiro.
Foto: Erasmo Salomão Ministério da Saúde.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Médicos cubanos retornaram a Cuba por exigência de seu governo, deixando abertas 1.200 vagas no programa “Mais Médicos” e causando graves transtornos à medicina pública brasileira, escreveu “El País”.

O contingente de 1.200 médicos representa pouco mais de 10% das 11.400 vagas de cubanos no referido programa, que conta com 18.200 profissionais.

A causa da saída dos cubanos foi por não terem sido aprovados no curso de especialização em saúde da família, feito em parceria com universidades locais, afirmou o Ministério da Saúde.

Acontece que os médicos aprovados receberiam uma bolsa de 10.000 reais, mas ficariam apenas com 2.700, sendo o restante do dinheiro repassado ao governo de Cuba, numa clara exploração trabalhista.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Animais morrem de fome em zoo de Caracas:
símbolo da miséria socialista

Argentina: país que produz mais alimentos per capita no mundo.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em matéria de alimentação, a América do Sul assiste a fenômenos assaz divergentes.

Na Argentina, sem ter sequer completado um ano, o governo de Maurício Macri já recuperou o 2º lugar na lista de países fornecedores mundiais de milho, disse o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), segundo “La Nación” de Buenos Aires.

O USDA também elevou a perspectiva da próxima colheita de milho argentino e do volume exportável.

No primeiro semestre, a exportação de trigo progrediu 100,5% em relação a 2015. A área planteada aumentou em um milhão e meio de hectares e a perspectiva da próxima safra é de mais crescimento, calculado entre 50% e 60%.

Segundo Juan Curutchet, presidente do Banco Provincia, o campo argentino estava com “a bota do Estado pisando encima e agora isso acabou”, acrescentou “La Nación”.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Expansão agrícola do Brasil e Argentina reduzirá 20% do número de malnutridos no mundo até 2025

Colheita de soja em Correntina.
Colheita de soja em Correntina, BA.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Dentro de dez anos, o Brasil será o maior produtor de soja do mundo e superará os EUA, apesar das dificuldades que os exportadores nacionais poderão enfrentar pela queda dos preços das commodities, diz informe da FAO sobre o futuro da agricultura no mundo até 2025, informou “O Estado de S. Paulo”.

Acresce que o Brasil terá a seu lado a Argentina, outro país com grandes possibilidades de expansão da fronteira agrícola.

A FAO aponta a necessidade de se ganhar 42 milhões de hectares de terras extras no mundo para atender às necessidades alimentares da humanidade até 2025.

E isso ocorrerá em grande parte por conta da expansão da fronteira agrícola no Brasil e na Argentina. Juntos, os dois países serão responsáveis por cerca de 20 milhões de hectares extras plantados.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Tentáculos da rede ideológica de corrupção kirchnerista tocam no Vaticano

Marcelo Mallo, líder de torcidas organizadas financiadas pelo kirchnerismo e procurado na Argentina por assassinato duplo também foi recebido pelo Papa no contexto de Scholas Occurrentes
Marcelo Mallo, líder de torcidas organizadas financiadas pelo kirchnerismo
que se entregou à polícia, era procurado pela massacre de dois colombianos num shopping,
também foi recebido pelo Papa no contexto de Scholas Occurrentes
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em artigo publicado no jornal “Clarín”, de Buenos Aires, o insuspeito jornalista de tendências conservadoras Alfredo Leuco chorou “o doloroso papel que o Papa Francisco vem realizando na Argentina”.

Leuco narrou o carteio que mantém com o Pontífice e os presentes que recebeu dele. Apesar disso, manifestou “dor e desilusão” com aquele que, segundo o jornalista, capitaliza as esperanças das esquerdas latino-americanas.

O problema seria o engajamento do Pontífice e os privilégios políticos que ele concede a um populismo cuja corrupção está destruindo a respeitabilidade das esquerdas.

Não seriam ‘apenas’ políticos corruptos, mas “mafiosos enriquecidos ilegalmente na função pública”.

Como exemplo, Leuco cita Omar “Caballo” Suárez, tido como um “preferido de Cristina, que tem seu gabinete coberto de fotos das muitas entrevistas com o Papa enquanto a justiça investiga extorsões e falcatruas” aprontadas nesse mesmo gabinete.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Exorcista: “Satanás atrás dos atentados islâmicos”

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma:
“Satanás impulsiona o Estado Islâmico, com certeza”
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Os recentes atentados de Nice e Bruxelas, como os do fim do ano passado em Paris e as tentativas massivas de violação de mulheres em cidades da Alemanha e do norte da Europa no Réveillon obedecem a um objetivo: erradicar o cristianismo do mundo apagando seus últimos restos já tão diminuídos.

Nos casos citados da Europa o caráter estritamente religioso da ofensiva de crimes não aparece tão claramente, pois os atentados visam o comum dos cidadãos indiscriminadamente.

O islamismo mais moderno age diante das imagens dos velhos demônios dos templos pagãos desertos como um anjo das trevas que surge das cavernas mais escuras do inferno atropelando os seus cúmplices de menor posição.

E se volta contra o mundo ocidental que ainda pode ser chamado de cristão mais por causa do passado de que pelo presente, com o mesmo furor destruidor supra-humano.

Segundo o padre Amorth, exorcista de Roma, nas violências inauditas e nas perseguições contra os cristãos praticadas pelo Estado Islâmico, é perceptível a garra do demônio.

“Il Giornale” de Milão, perguntou ao exorcista se o pessoal do Estado Islâmico estava sendo então inspirado por Satanás, ao que o Pe. Amorth respondeu:

segunda-feira, 4 de julho de 2016

19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche, Land Rover e Volvo

19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche
19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche



O TCU (Tribunal de Contas da União) determinou nesta quarta-feira (7) ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) a imediata paralisação do programa de reforma agrária no país.

O programa atinge hoje 1,5 milhão de famílias e, pela decisão do órgão, não poderão ser mais cadastrados ou assentados novos beneficiários.

Na prática, o programa já está paralisado por falta de dinheiro, conforme mostrou reportagem da Folha de S.Paulo do mês passado.

De acordo com o TCU, sem a medida cautelar de interrupção de novos cadastros, o país poderia ter um prejuízo de R$ 2,5 bilhões até 2018.

A medida foi tomada após o tribunal identificar mais de 578 mil beneficiários irregulares do programa do governo federal, ao cruzar a base de dados do Incra com outros bancos de dados.

Entre as irregularidades na relação de beneficiários, foram identificados 1.017 políticos. Há também 61.965 empresários, 144.621 servidores públicos e 37.997 pessoas falecidas. Essas pessoas, pelas regras, não teriam direito aos lotes distribuídos no programa.

A auditoria revelou ainda que 19.393 dos cadastrados são donos de veículos de luxo, de marcas como Porsche, Land Rover e Volvo.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Saques, miséria, fome: os sucessos induzidos pelo socialismo bolivariano

Carta do governo de Caracas para as lojas particulares
não venderem produtos básicos. Depois poderão ser confiscadas.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Noventa por cento dos venezuelanos já não conseguem comer aquilo que seria a sua alimentação básica.

Durante o mês de maio, houve nas principais cidades do país 68 saques ou tentativas de saques, enquanto grassa de modo cada vez mais agudo o empobrecimento socialista que deixou os supermercados sem produtos, as farmácias sem medicamentos e cidades inteiras sem energia, noticiou o jornal “La Nación”.

Maio se consolidou como o pior mês de sofrimento dos venezuelanos e nada aponta uma melhora.

Várias empresas não conseguem mais trabalhar. A Polar já não pode produzir a cerveja mais popular, a Coca-Cola não se encontra mais à venda porque não há açúcar para fabricá-la.

Ricardo Lanz, superintendente do Serviço de Administração Tributaria de Caracas enviou circular a uma loja para que essa “não faça venda dos seguintes produtos regulados: farinha de milho, farinha de trigo, macarrão, arroz, manteiga, margarina, óleo de milho, açúcar, aveia, sal, fraldas, leite, maionese, molho de tomate, grãos em geral, 'cheese whiz' e produtos de higiene pessoal em general”, noticiou “El Mundo” de Madri, que reproduziu a aberrante circular.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Aliança bolivariana cai aos pedaços

Um dos postos da falida Sol, da PDVSA na Argentina.
Um dos postos da falida Sol, da PDVSA na Argentina.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



A aliança “bolivariana” montada pelo falecido ditador venezuelano Hugo Chávez no continente sul-americano – com ramificações na Espanha – está caindo aos pedaços.

Não é só que o “socialismo do século XXI” faliu na Venezuela e o regime autoritário não dispõe de mais recursos para financiar sua louca aventura pró-comunista.

Nos grandes países do continente, como Brasil e Argentina, as populações não suportam os aliados do petulante líder esquerdista do Caribe e os deixaram sem apoios indispensáveis.

Chávez e Maduro apelaram para o ingente manancial de riquezas do petróleo venezuelano até conseguirem destruí-lo.

Apelaram sobretudo para o Brasil e a Argentina, inclusive para distribuir magras quantias de alimento à população, reduzida a uma massa faminta.

E ainda assim a questão não se resolveu.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

O Papa Francisco chefe da oposição argentina
preferido até por marxistas-leninistas?

Com Cristina cada vez mais complicada com a Justiça, cresce a esperança das esquerdas de o Papa Francisco assumir a liderança.
Com Cristina cada vez mais complicada com a Justiça,
cresce a esperança das esquerdas de o Papa Francisco assumir a liderança.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O colunista de “La Nación” Jorge Fernández Díaz, recentemente nomeado para a Academia Argentina de Letras, deplorou a animadversão contra o governo argentino por parte de alguns membros também argentinos do Vaticano mais próximos do Papa Francisco.

Não é possível se esquivar à conclusão de animadversão quando o porta-voz operativo do Papa na Argentina é um militante de esquerda que mal conhece até o próprio funcionamento da Igreja e que provoca incidentes agressivos entre o Vaticano e a Casa Rosada.

Tampouco deixou boa impressão a recepção do Papa Francisco em reuniões fechadas a juízes argentinos que devem se pronunciar em processos de corrupção de Cristina Kirchner e seus assessores.

Fernández Díaz lamentou que havendo tantos problemas universais e morais, o Pontífice fique interferindo em pequenos casos nacionais e em favor de uma ideologia e uma associação política de fundo bolivariano.

Agindo assim ele faz o que querem os kirchneristas “que o Papa seja o chefe da oposição”.