segunda-feira, 25 de julho de 2016

Expansão agrícola do Brasil e Argentina reduzirá 20% do número de malnutridos no mundo até 2025

Colheita de soja em Correntina.
Colheita de soja em Correntina, BA.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Dentro de dez anos, o Brasil será o maior produtor de soja do mundo e superará os EUA, apesar das dificuldades que os exportadores nacionais poderão enfrentar pela queda dos preços das commodities, diz informe da FAO sobre o futuro da agricultura no mundo até 2025, informou “O Estado de S. Paulo”.

Acresce que o Brasil terá a seu lado a Argentina, outro país com grandes possibilidades de expansão da fronteira agrícola.

A FAO aponta a necessidade de se ganhar 42 milhões de hectares de terras extras no mundo para atender às necessidades alimentares da humanidade até 2025.

E isso ocorrerá em grande parte por conta da expansão da fronteira agrícola no Brasil e na Argentina. Juntos, os dois países serão responsáveis por cerca de 20 milhões de hectares extras plantados.

“A América Latina continua sendo a maior fonte de expansão de área agrícola no mundo, com um total de aumento de 25% e com a soja liderando a maioria dessa expansão”, indicou a FAO.

No Brasil, a aquicultura pode ter uma expansão de 40% até 2025, e “as exportações de algodão devem dobrar de 700 mil toneladas para 1,5 milhões, fazendo do Brasil o segundo maior exportador do mundo”.

A respeito do açúcar, num primeiro momento, a FAO estima uma queda da participação do Brasil no mercado mundial. Mas até 2025 o País voltará a ocupar 41% do mercado. Com o real desvalorizado, o Brasil pode ser beneficiado.

Fábrica de colheitadeiras na Argentina quase faliu por maus negócios com a Venezuela. Hoje luta para satisfazer a demanda privada
Fábrica de colheitadeiras na Argentina quase faliu por maus negócios com a Venezuela.
Hoje luta para satisfazer a demanda privada nacional.
A participação do Brasil nas exportações de carne deverá chegar a 26%, “contribuindo por quase metade da expansão esperada nas vendas de carnes no mundo durante o período projetado”.

Mesmo registrando uma expansão mais lenta, os mercados emergentes devem continuar a liderar a expansão do consumo mundial. Deve, contudo, mudar o perfil do consumo, com maior atenção para o açúcar, os óleos vegetais e menos para cereais ou proteínas.

Outra consequência positiva de preços estáveis na agricultura deve ser a queda do número de famintos no planeta. A projeção é de que haja uma redução dos atuais 800 milhões de pessoas afetadas pela forme para cerca de 650 milhões em dez anos.

Isso representará uma queda de 11% para 8% na proporção da população mundial em situação de má-nutrição.

Todas as esperanças repousam no setor privado, porque nos assentamentos da reforma agrária não existe comida nem para alimentar os assentados, que vivem na dependência da cesta básica.

Quando há assentados... e quando o dinheiro da cesta básica não vai para a conta de algum funcionário ou político!


segunda-feira, 18 de julho de 2016

Tentáculos da rede ideológica de corrupção kirchnerista tocam no Vaticano

Marcelo Mallo, líder de torcidas organizadas financiadas pelo kirchnerismo e procurado na Argentina por assassinato duplo também foi recebido pelo Papa no contexto de Scholas Occurrentes
Marcelo Mallo, líder de torcidas organizadas financiadas pelo kirchnerismo
que se entregou à polícia, era procurado pela massacre de dois colombianos num shopping,
também foi recebido pelo Papa no contexto de Scholas Occurrentes
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em artigo publicado no jornal “Clarín”, de Buenos Aires, o insuspeito jornalista de tendências conservadoras Alfredo Leuco chorou “o doloroso papel que o Papa Francisco vem realizando na Argentina”.

Leuco narrou o carteio que mantém com o Pontífice e os presentes que recebeu dele. Apesar disso, manifestou “dor e desilusão” com aquele que, segundo o jornalista, capitaliza as esperanças das esquerdas latino-americanas.

O problema seria o engajamento do Pontífice e os privilégios políticos que ele concede a um populismo cuja corrupção está destruindo a respeitabilidade das esquerdas.

Não seriam ‘apenas’ políticos corruptos, mas “mafiosos enriquecidos ilegalmente na função pública”.

Como exemplo, Leuco cita Omar “Caballo” Suárez, tido como um “preferido de Cristina, que tem seu gabinete coberto de fotos das muitas entrevistas com o Papa enquanto a justiça investiga extorsões e falcatruas” aprontadas nesse mesmo gabinete.

Também mencionou Guillermo Moreno, membro, segundo ele, de uma gangue que passa a pior das imagens, mas que “tem acesso livre à intimidade papal” e gere os encontros do Pontífice com figuras políticas argentinas, em geral dos ‘movimentos sociais’ mais à esquerda e com pior reputação pessoal.

A linha do Papa Francisco é acompanhada na Argentina por alguns eclesiásticos, como Mons. Jorge Lozano, diretor da Pastoral Social da Conferência Episcopal Argentina, que recebeu institucionalmente comandantes de esquadrões fautores de violência e de diversos crimes.

A figura do Pontífice sofreu acrescido desgaste após a escandalosa descoberta de uma rede de corrupção da qual participavam pelo menos um arcebispo, um convento não canonicamente estabelecido, cujas dependências serviam de local para as reuniões, ativistas femininas que se apresentam como freiras, além de personagens dos “movimentos sociais” e do governo kirchnerista, hoje distinguidos com relevantes posições em projetos do Vaticano.

Proliferaram as fotos de arquivo de personagens do esquema de corrupção kirchnerista recebidos pelo Papa Francisco I. Na foto Guillermo Moreno.
Proliferaram as fotos de arquivo de personagens do esquema de corrupção kirchnerista
recebidos pelo Papa Francisco I. Na foto Guillermo Moreno.
A novela midiática apresenta a cada dia um novo capitulo. Vale destacar que a Conferencia Episcopal Argentina já anunciou que está disposta a colaborar com o desvendamento da rede de corrupção que deitou seus tentáculos até em altas cúpulas dos ambientes eclesiásticos.

Seu presidente, Mons. José María Arancedo esclareceu que o escândalo das falsas freiras e do mosteiro suspeito não suja a Igreja enquanto instituição, malgrado possa ter havido falhas de um arcebispo.

Ele garantiu para “La Nación” que as ilegalidades eventualmente cometidas serão tiradas a limpo posto que “a Igreja não pode encobrir ou ocultar por espírito corporativo alguém que agiu mal ou cometeu um delito”.

Por sua vez, numa solenidade na embaixada da França em Buenos Aires, o Núncio Apostólico, Mons. Emil Paul Tscherrig, declarou à imprensa que o caso do falso mosteiro “afeta muito a imagem da Igreja na Argentina” e que ele mantém informado o Papa Francisco “a cada momento”, publicou “La Nación”.

A tempestade atinge a Fundação “Scholas Occurrentes”, um projeto promovido pessoalmente pelo Papa.

Na Aula Nova do Sínodo, no Vaticano, durante o encerramento do congresso mundial de “Scholas”, com a presença de estrelas de Hollywood como Richard Gere, George Clooney e Salma Hayek, o atual subsecretario de Culto argentino, Alfredo Abriani, anunciou um donativo milionário para a iniciativa do Papa.

A doação foi confirmada com decreto publicado no jornal oficial do governo argentino.

Líderes de movimentos sociais como Juan Grabois – muito próximo de Stédile, chefe do MST brasileiro – acolheram o oferecimento com furor e até com palavrões, segundo o jornal italiano “La Stampa”.

Mulher do ex-ministro de Obras Pública Julio De Vido, ganhou alta posição na Fundação Scholas Occurrentes promovida pelo Pontífice.
Mulher do ex-ministro de Obras Pública Julio De Vido,
ganhou alta posição na Fundação Scholas Occurrentes promovida pelo Pontífice.
Gustavo Vera, líder de mais um “movimento social” próximo ao Pontífice e consagrado oficialmente a combater o “tráfico de pessoas”, também se manifestou tumultuosamente. “Francisco quer uma Igreja para os pobres”, disse, tentando justificar a renúncia ao donativo que viria de um governo aliado dos “ricos”.

O Papa Francisco acabou recusando o donativo. Porém, desde então, as ligações entre os “ativistas sociais” partícipes dos esquemas de corrupção e os animadores do projeto “Scholas Ocurrentes” estão saindo à luz do dia, mostrando uma assustadora dimensão.

O Pontífice logo procurou tomar distâncias do esquema ideológico de corrupção. De início justificou a recusa do donativo do governo argentino, atribuindo-a a um perigo indesejável de corrupção populista em sua Fundação.

“Temo que possa cair na corrupção”, explicou ele em carta a José María del Corral e Enrique Palmeyro, responsáveis pela “Scholas Ocurrentes”, segundo informou o jornal “La Stampa”

“Isto é um deslizamento suave e quase despercebido”, que depois “contagia”, “se justifica”, e por fim acaba “pior do que no início”, “uma estrada resvaladia e cômoda que nós teríamos razões para justificar, mas que no fim assassina”, completou o Pontífice, segundo o Vatican Insider.

Alicia Kirchner com o falecido Mons Di Monte no mosteiro não canônico de freiras, um local de reunião do esquema de corrupção.
Alicia Kirchner com o falecido Mons Di Monte
no mosteiro não canônico de freiras,
um local de reunião do esquema de corrupção.
Quase 5 milhões de dólares em dinheiro vivo não declarado
foram descobertos pela Justiça em caixas de valores
que seriam da filha dos ex-presidentes Kirchner.
O Papa também cancelou um “Jogo pela Paz” com a participação de craques do futebol. O evento também era suspeito de fazer parte do esquema imoral que preocupa o Pontífice, segundo informou o jornal “La Nación”.

Trouxeram muitas surpresas as investigações policiais sobre um formidável esquema de corrupção político-ideológica desvendado com a prisão de um homem-chave que levava milhões de dólares, armas e joias para serem escondidos num mosteiro de religiosas sem reconhecimento canônico.

Uma das peças do esquema seria Alessandra Minnicelli, presidente do Observatório da Responsabilidade Social (Fors) e mulher de Julio de Vido, o ministro-chave no desvio de imensas verbas destinadas a obras públicas durante uma década.

Alessandra Minnicelli foi engajada na diretoria de “Scholas Ocurrentes”, após militar muito tempo no esquerdismo kirchnerista.

Ela exibe em sua propaganda uma foto com o próprio Papa lhe estreitando a mão, por ocasião de atividades da conturbada “Scholas Ocurrentes”, escreveu “Política online”.

Um passado de extorsões, ameaças, desvios de fundos, superfaturamento, bloqueio de portos e negociatas obscuras, que faziam parte da luta promovida pelo kirchnerismo contra os “ricos”, engrossa uma grande lista de denúncias e suspeitas apontando para Enrique Omar Suárez.

Apelidado de “Caballo”, ele também participou de tentativas falidas de golpes de estado, promovidas por militares nacionalistas extremistas, bem como da tomada pela violência do sindicato portuário de Buenos Aires, além de outros desmandos.

Alicia Barrios, autora de 'Mi amigo el padre Jorge'
biografia baseada em 17 anos de amizade com o Pontífice,
dirigia “Rádio Papa” de Enrique Omar Suárez, alias Caballo”.
O agitador criou em seu sindicato a “Rádio Papa”, dirigida pela jornalista Alicia Barrios, amiga do Pontífice.

Considerado um símbolo da corrupção bolivariana, “Caballo” acabou tendo seu sindicato submetido a um interventor designado pela Justiça. Em consequência, uma auditoria revelou uma extensa lista de delitos, abusos econômicos, e até o furto de 32 carros.

A deputada Gladys González e diversos empresários denunciaram ameaças de morte instigadas por esse ativista, que se exibe como uma “longa manus” do papa argentino. O caso está nas mãos da Justiça, informou “La Nación”.

Nesta tempestade altamente danosa para a imagem da Igreja e comprometedora do Pontífice, este passou a adotar gestos distensivos em relação ao governo argentino. Oxalá não fique em palavras, mas adote uma mudança de rumos clara, a fim de restaurar a respeitabilidade da Igreja Católica na Argentina.

Alessandra Minnicelli discursa no Vaticano



O "mosteiro" não-canônico onde houve reuniões do esquema de corrupção










sexta-feira, 15 de julho de 2016

Exorcista: “Satanás atrás dos atentados islâmicos”

Padre Gabriele Amorth, exorcista oficial da diocese de Roma:
“Satanás impulsiona o Estado Islâmico, com certeza”
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Os recentes atentados de Nice e Bruxelas, como os do fim do ano passado em Paris e as tentativas massivas de violação de mulheres em cidades da Alemanha e do norte da Europa no Réveillon obedecem a um objetivo: erradicar o cristianismo do mundo apagando seus últimos restos já tão diminuídos.

Nos casos citados da Europa o caráter estritamente religioso da ofensiva de crimes não aparece tão claramente, pois os atentados visam o comum dos cidadãos indiscriminadamente.

O islamismo mais moderno age diante das imagens dos velhos demônios dos templos pagãos desertos como um anjo das trevas que surge das cavernas mais escuras do inferno atropelando os seus cúmplices de menor posição.

E se volta contra o mundo ocidental que ainda pode ser chamado de cristão mais por causa do passado de que pelo presente, com o mesmo furor destruidor supra-humano.

Segundo o padre Amorth, exorcista de Roma, nas violências inauditas e nas perseguições contra os cristãos praticadas pelo Estado Islâmico, é perceptível a garra do demônio.

“Il Giornale” de Milão, perguntou ao exorcista se o pessoal do Estado Islâmico estava sendo então inspirado por Satanás, ao que o Pe. Amorth respondeu:

O atentado de Nice (14.07.2016) foi o mais recente e, infelizmente, tal vez não foi o último, do furor de Satanás impulsionando o anticristianismo
O atentado de Nice (14.07.2016) foi o mais recente e, infelizmente,
tal vez não foi o último, do furor de Satanás impulsionando o anticristianismo
“Com certeza! Onde está o mal, está sempre o demônio por trás incitando. Qualquer forma de mal, grande ou pequena, sempre é sugerida pelo diabo”.

– O Sr., com seus 90 anos continua fazendo exorcismos?

– “Agora faço pelo menos dois ou três ao dia, antes chegava a fazer 15, inclusive nas datas de Natal e Páscoa. Há alguns anos calculei ter feito cerca de 70.000 exorcismos. Talvez até mais”.

– Ficam poucos exorcistas?

– “Infelizmente. Com frequência os primeiros que não acreditam no demônio são os bispos que não estão nomeando novos exorcistas.

“Ontem eu falava com um exorcista, o Pe. Vincenzo, que me dizia que havia uma fila de 40 pessoas aguardando ser exorcizadas. Eu escrevi uma carta ao Papa Francisco pedindo-lhe que permitisse a todos os sacerdotes praticar exorcismos”.

– E o Papa respondeu?

 – “Enviou-me resposta por meio do Vigário da diocese de Roma dizendo que não se podem mudar as coisas de um dia para outro. São necessários demorados procedimentos e regras a ser cumpridos”.

Estado Islâmico: novos demônios irrompem no cenário mundial.
Estado Islâmico: novos demônios irrompem no cenário mundial.
– Este Papa fez exorcismos?

– “Não me consta. Ratzinger e Wojtyla sim”.

– Hoje há um sucessor para o Padre Amorth?

– “Há a Associação Internacional dos Exorcistas que eu fundei e da qual sou o presidente honorário. Hoje tem como presidente o Padre Francesco Bamonte, que também é exorcista. Entreguei a ele mais de dois quilos de coisas que me cuspiram os endemoninhados: chaves, cacos de vidro, pedaços de correntes, pregos”.

– Mas cuspiam esses objetos pela boca? 

– “Sim, sem jamais se ferirem. Eu pude tocar com a mão esses objetos que se materializavam na boca dos endemoninhados no momento de cuspi-los.

“Vivi muitos episódios estranhos, casos de levitação de gente que se elevava pelo menos meio metro do chão, que caminhava pelas paredes como se não existisse lei da gravidade”.

Prossegue o experiente Pe. Amorth: 

“E depois pessoas que falavam línguas como foi o caso certa vez de um camponês que apenas falava italiano e começou a perorar em inglês e em latim.

“Certa vez uma religiosa começou a se arrastar pela igreja como uma cobra, passando sob os bancos sem mudá-los um centímetro de local”.


segunda-feira, 4 de julho de 2016

19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche, Land Rover e Volvo

19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche
19 mil Sem Terra possuem carros como Porsche



O TCU (Tribunal de Contas da União) determinou nesta quarta-feira (7) ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) a imediata paralisação do programa de reforma agrária no país.

O programa atinge hoje 1,5 milhão de famílias e, pela decisão do órgão, não poderão ser mais cadastrados ou assentados novos beneficiários.

Na prática, o programa já está paralisado por falta de dinheiro, conforme mostrou reportagem da Folha de S.Paulo do mês passado.

De acordo com o TCU, sem a medida cautelar de interrupção de novos cadastros, o país poderia ter um prejuízo de R$ 2,5 bilhões até 2018.

A medida foi tomada após o tribunal identificar mais de 578 mil beneficiários irregulares do programa do governo federal, ao cruzar a base de dados do Incra com outros bancos de dados.

Entre as irregularidades na relação de beneficiários, foram identificados 1.017 políticos. Há também 61.965 empresários, 144.621 servidores públicos e 37.997 pessoas falecidas. Essas pessoas, pelas regras, não teriam direito aos lotes distribuídos no programa.

A auditoria revelou ainda que 19.393 dos cadastrados são donos de veículos de luxo, de marcas como Porsche, Land Rover e Volvo.

“O programa não está sendo efetivo ao permitir que indivíduos que não estão no público-alvo do PNRA [Programa Nacional de Reforma Agrária] ocupem o lugar do público esperado”, afirma o relator do caso, ministro Augusto Sherman.

Em sua defesa, o Incra informou ao TCU que já vinha fazendo cruzamentos para identificar problemas no cadastro, tendo retirado da lista 38 mil famílias que estavam irregulares.

Mas, segundo o órgão, as medidas estavam sendo tomadas de forma morosa, não se mostraram suficientes e havia risco de cadastramento de novos beneficiários irregulares.


quinta-feira, 30 de junho de 2016

Saques, miséria, fome: os sucessos induzidos pelo socialismo bolivariano

Carta do governo de Caracas para as lojas particulares
não venderem produtos básicos. Depois poderão ser confiscadas.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Noventa por cento dos venezuelanos já não conseguem comer aquilo que seria a sua alimentação básica.

Durante o mês de maio, houve nas principais cidades do país 68 saques ou tentativas de saques, enquanto grassa de modo cada vez mais agudo o empobrecimento socialista que deixou os supermercados sem produtos, as farmácias sem medicamentos e cidades inteiras sem energia, noticiou o jornal “La Nación”.

Maio se consolidou como o pior mês de sofrimento dos venezuelanos e nada aponta uma melhora.

Várias empresas não conseguem mais trabalhar. A Polar já não pode produzir a cerveja mais popular, a Coca-Cola não se encontra mais à venda porque não há açúcar para fabricá-la.

Ricardo Lanz, superintendente do Serviço de Administração Tributaria de Caracas enviou circular a uma loja para que essa “não faça venda dos seguintes produtos regulados: farinha de milho, farinha de trigo, macarrão, arroz, manteiga, margarina, óleo de milho, açúcar, aveia, sal, fraldas, leite, maionese, molho de tomate, grãos em geral, 'cheese whiz' e produtos de higiene pessoal em general”, noticiou “El Mundo” de Madri, que reproduziu a aberrante circular.

Essa foi enviada em 31 de maio. Esse órgão público deveria se encarregar de garantir as necessidades da população mas se encarrega de impedir a venda de produtos básicos.

“A ideia é expropriar a comida das lojas para dá-la às pessoas que o governo quer”, disse uma fonte da oposição que também garantiu que os saques prosseguem se multiplicando.

“Membros da Guardia Nacional tentaram levar produtos de primeira necessidade das lojas para depois vende-los em outros distritos. Estão nos tirando o pão”, disse a mesma fonte ao jornal espanhol.

O chefe do governo de Caracas, Daniel Aponte, diz que a medida visa impedir a especulação e garantir o fornecimento desses produtos por meio dos Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP) que o governo criou recentemente.

Ao mesmo tempo que pediu às lojas que deixem de vender esses alimentos, ele as “exortou a serem mais eficazes na venda dos alimentos comercializados".

Empresas como Lufthansa, LATAM, Gol, Air Canada, Alitalia e Aerolíneas Argentinas suspenderam seus voos, porque ficaram impossibilitadas pelo governo de funcionar no país. Em junho de 2015 o regime bolivariano não lhes tinha repassado 3,7 bilhões de dólares a elas devidos por passagens vendidas.

A Venezuela vai entrando no isolamento em que jaz a ilha-prisão cubana.


Saque em Mercado Atacadista, Maracay - Turmero





Saques na Venezuela




segunda-feira, 27 de junho de 2016

Aliança bolivariana cai aos pedaços

Um dos postos da falida Sol, da PDVSA na Argentina.
Um dos postos da falida Sol, da PDVSA na Argentina.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



A aliança “bolivariana” montada pelo falecido ditador venezuelano Hugo Chávez no continente sul-americano – com ramificações na Espanha – está caindo aos pedaços.

Não é só que o “socialismo do século XXI” faliu na Venezuela e o regime autoritário não dispõe de mais recursos para financiar sua louca aventura pró-comunista.

Nos grandes países do continente, como Brasil e Argentina, as populações não suportam os aliados do petulante líder esquerdista do Caribe e os deixaram sem apoios indispensáveis.

Chávez e Maduro apelaram para o ingente manancial de riquezas do petróleo venezuelano até conseguirem destruí-lo.

Apelaram sobretudo para o Brasil e a Argentina, inclusive para distribuir magras quantias de alimento à população, reduzida a uma massa faminta.

E ainda assim a questão não se resolveu.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

O Papa Francisco chefe da oposição argentina
preferido até por marxistas-leninistas?

Com Cristina cada vez mais complicada com a Justiça, cresce a esperança das esquerdas de o Papa Francisco assumir a liderança.
Com Cristina cada vez mais complicada com a Justiça,
cresce a esperança das esquerdas de o Papa Francisco assumir a liderança.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O colunista de “La Nación” Jorge Fernández Díaz, recentemente nomeado para a Academia Argentina de Letras, deplorou a animadversão contra o governo argentino por parte de alguns membros também argentinos do Vaticano mais próximos do Papa Francisco.

Não é possível se esquivar à conclusão de animadversão quando o porta-voz operativo do Papa na Argentina é um militante de esquerda que mal conhece até o próprio funcionamento da Igreja e que provoca incidentes agressivos entre o Vaticano e a Casa Rosada.

Tampouco deixou boa impressão a recepção do Papa Francisco em reuniões fechadas a juízes argentinos que devem se pronunciar em processos de corrupção de Cristina Kirchner e seus assessores.

Fernández Díaz lamentou que havendo tantos problemas universais e morais, o Pontífice fique interferindo em pequenos casos nacionais e em favor de uma ideologia e uma associação política de fundo bolivariano.

Agindo assim ele faz o que querem os kirchneristas “que o Papa seja o chefe da oposição”.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

A Argentina está chocada
pelos gestos políticos do Papa Francisco – 3

O Papa com o arcebispo argentino Marcelo Sánchez Sorondo, articulador de atividades com "movimentos sociais" da vertente ideológica do MST
O Papa com o arcebispo argentino Marcelo Sánchez Sorondo,
articulador de atividades com "movimentos sociais" da vertente ideológica do MST
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



continuação do post anterior: A Argentina está chocada pelos gestos políticos do Papa Francisco – 2



O impacto da revelação do caso de Margarita ainda não tinha se apagado quando a imprensa internacional divulgou que numa reunião com os bispos do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) o Papa Francisco disse que em alguns países da América do Sul está ocorrendo “um golpe de estado branco”.

Ele manifestou preocupação com os “conflitos sociais, econômicos e políticos” na Venezuela, no Brasil, na Bolívia e na Argentina. Cfr. “O Dia”.

A notícia foi surpreendente: na Argentina, a comparação com a Venezuela foi chocante e a interpretação da realidade do Brasil soou como uma tomada de atitude favorecedora da propaganda internacional do PT.

Logo chegou, por vias terceiras, um desmentido do Vaticano: um sacerdote amigo que teria recebido um telefonema do Papa Francisco desmentindo, etc.

quinta-feira, 16 de junho de 2016

A Argentina está chocada
pelos gestos políticos do Papa Francisco – 2

No Rio, na JMJ 2013, Para Francisco com Dilma, Cristina, Evo Morales e o vice-presidente do Uruguai
No Rio, na JMJ 2013, Para Francisco com Dilma, Cristina, Evo Morales
e o vice-presidente do Uruguai pelo Frente Amplo "tupamaro"
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



continuação do post anterior: A Argentina está chocada pelos gestos políticos do Papa Francisco – 1

O tratamento frio e até carrancudo dispensado ao novo presidente numa recepção no Vaticano estranhamente de apenas 22 minutos fez transbordar o vaso.

Uma simples página de fotos do evento encheu-se de comentários reveladores, originados dos mais variados setores geográficos, ideológicos, culturais e religiosos da Argentina.

Eles apareceram em INFOBAE, 27.02.16, e servem bem de exemplo. Não reproduzimos os nomes completos para preservar a privacidade dos autores:

— “Lamentável a recepção de Francisco. Sua expressão, seu rosto, sua falta de cordialidade mostra a verdadeira posição em relação a Mauricio e da maioria que o elegemos presidente. (...) contrasta com as saudações, afetos, sorriso e outros que exibia ‘antes’. Se algo faltava para nos darmos conta, ele no-lo fez ver claramente hoje. Para mim, Bergoglio ‘já era’”.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

A Argentina está chocada
pelos gestos políticos do Papa Francisco – 1

Com Fidel Castro em Cuba: estreitando amizade com símbolo da ditadura marxista
Com Fidel Castro em Cuba: estreitando amizade com símbolo da ditadura marxista
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Conta-se que Napoleão, desfilando certa feita triunfalmente em Paris, tinha perto de si um diplomata estrangeiro, para o qual se teria voltado e dito: “O senhor está vendo quanto me ovacionam?”

E o diplomata lhe teria então respondido: “Sire, os homens cobram os aplausos que dão”.

Poucos anos depois Napoleão fugia de Paris disfarçado de soldado austríaco, para não ser reconhecido e linchado pelos franceses cujos filhos haviam sido sacrificados em suas aventuras guerreiras.

Há paradoxos que se repetem na História. Afinal de contas, a psicologia humana é sempre a mesma.

Houve um momento em que o Papa Francisco parecia ter a Argentina rendida a seus pés, tão grande era a popularidade que lhe atribuía unanimemente o macrocapitalismo publicitário.

Hoje, três anos depois, quem chega a Buenos Aires encontra a opinião pública, especialmente a católica, mudada a seu respeito.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Ditos de Trump atemorizam países libres
e regozijam ditaduras marxistas

Para bálticos, Trump é um amigo encapuzado de Putin.
Para bálticos, Trump é um amigo encapuzado de Putin.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Num grafite gigante sobre o muro de um fast-food de Vilnius, capital e mais populosa cidade da Lituânia, apareceu toda a preocupação que suscita no país a eventualidade de o candidato populista Donald Trump assumir a presidência dos EUA.

Na perspectiva dos Países Bálticos, Trump vem agindo como um amigo e êmulo do agressivo dono do Kremlin Vladimir Putin.

A imagem é repugnante e claramente inspirada numa famosa foto em que o ditador soviético Leonid Breznev aparece beijando a boca do chefe comunista da Alemanha Oriental Erick Honecker, noticiou a agência AFP.

A simpatia que o pré-candidato republicano manifesta pelo dono do Kremlin não parece ser apenas eleitoreira, mas resulta de uma afinidade de modos de ser e de governo, além de um fundo populista que está sendo recusado na América do Sul, mas reina de látego na mão na imensa Rússia.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Responsabilidade civil da CNBB
na ação do CIMI contra o Estado de Direito

Dom Leonardo Ulrich, secretário geral da CNBB e Tito Vilhalva, da etnia Guarani Kaiowá. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil.
Dom Leonardo Ulrich, secretário geral da CNBB
e Tito Vilhalva, da etnia Guarani Kaiowá.
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Post publicado no blog "Verde: a cor nova do comunismo"




continuação do post anterior: Produtores e indígenas vitimados pela conduta ilícita do CIMI



Prossegue a conclusão da CPI do CIMI:

Todavia, ainda se tratando de responsabilidade civil, é de se considerar quem mais poderá responder pelos prejuízos causados pelo CIMI, além da própria entidade.

O CIMI inegavelmente é vinculado à Igreja Católica.

Consta expressamente em seu site que se trata de uma instituição ligada à Confederação Nacional dos Bispos Brasileiros que, por via de consequência, é vinculada à Igreja Católica.

No sitio eletrônico da CNBB é possível encontrar, no tópico que trata das missões ou finalidades do órgão que: [página 217]

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Produtores e indígenas vitimados
pela conduta subversiva do CIMI

Invasão de fazenda em Mato Grosso do Sul.
Invasão de fazenda em Mato Grosso do Sul.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Post publicado no blog "Verde: a cor nova do comunismo"


continuação do post anterior: Relatório final da “CPI do CIMI” desvenda estarrecedora subversão comuno-missionária pintada de verde ambientalista


Prossegue a conclusão da CPI do CIMI:

Mas, depois de analisar todos os depoimentos e provas do processo, sou forçado a concluir que também os indígenas foram prejudicados, igualmente de forma irreversível, pela conduta ilícita do CIMI.

Foram gerações de indígenas criadas com base no sentimento sectário, tendo incutido o ódio e o desrespeito às instituições, através de uma travestida defesa de seus interesses.

O CIMI não conseguiu trazer para o processo um único projeto realizado em prol da comunidade indígena, de educação, saúde, enfim, nada.

E, importante frisar, somente no ano de 2013 foram mais de R$ 7.000.000,00 recebidos de instituições estrangeiras.

Segundo dados de seus balanços, mais de R$ 4.000.000,00 seriam destinados ao pagamento de pessoal.

Ora, mas como se todos os integrantes e ex-integrantes do CIMI, inclusive o Sr. Cleber Buzato, informaram que prestavam trabalho praticamente voluntário?

Para onde vão esses recursos. De outro lado, verifica-se que há depoimento de indígenas afirmando categoricamente que Flávio Machado [página 211] forneceu recursos para a aquisição de armas no Paraguai para suportar invasões de propriedades privadas.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Relatório final da “CPI do CIMI” desvenda
estarrecedora subversão comuno-missionária
pintada de verde ambientalista

Fazenda Buriti invadida e incendiada por índios, em Sidrolândia (MS)
Fazenda Buriti invadida e incendiada por índios, em Sidrolândia (MS)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Post publicado no blog "Verde: a cor nova do comunismo"


O verde a nova cor do comunismo? Isso não é muito exagero? – comenta por vezes algum objetante – Pode ser que alguns tresloucados fale ou façam coisas amalucadas a propósito de ecologia e meio-ambiente, mas sempre será algo colateral e episódico!

Não! – pode acrescentar um leitor logrado – não se pode achar que por trás do ambientalismo radical possa haver uma ideologia de tipo comunista, um marxismo travestido após a debacle da URSS!

Tampouco pode se supor uma organização com milionário financiamento internacional, uma articulação que usa a fraude e a malícia para introduzir uma nova religião afim com o marxismo, e que para isso manipula as causas da natureza e das tribos indígenas para subverter o Brasil e o mundo!

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Nas cavernas da miséria venezuelana

Marcados como animais para conseguir farinha de milho em Barquisimento.
Marcados como animais para conseguir farinha de milho em Barquisimento.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Há meses e de modo rotineiro, a família de Álida González tem que ficar sem almoço. É a inflação, a escassez crônica de alimentos... a lista das desgraças cresce e se repete dia após dia no maravilhoso mundo do “socialismo do século XXI” tão ao gosto do lulopetismo.

Álida é dona de casa, tem 65 anos e precisa alimentar quatro familiares. Ela só consegue cortando as proteínas, como as carnes de frango e de porco, e aumentado o consumo de carboidratos, com um desequilíbrio sensível na constituição física de sua família, escreve “La Nación” de Buenos Aires.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Evo cocaleiro, Francisco, impeachment de Dilma
e crise continental das esquerdas

'Hermano Papa, se la recomiendo, así va aguantar toda la vida'. Evo Morales foi se queixar dos bispos que criticam o narcotráfico instalado no Estado
'Hermano Papa, se la recomiendo, así va aguantar toda la vida'.
Evo Morales foi se queixar dos bispos que criticam o narcotráfico instalado no Estado
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Na rabeira de Raúl Castro e de Nicolás Maduro, o presidente da Bolívia, Evo Morales, fez ouvir sua voz em defesa de Dilma Rousseff, enquanto o impeachment não a tirar do Planalto.

Evo inaugurou sua conta oficial no Twitter e mostrou saber fazer uso dela enviando uma mensagem de apoio à presidente brasileira calcada no discurso petista:

“Não ao golpe congressal (sic!). Defendamos a democracia do Brasil, sua liderança regional e a estabilidade da América Latina”.

Segundo o jornal “La Nación”, de Buenos Aires, “o presidente aimará admitiu sentir ‘indignação’ pelas noticias que chegavam do Brasil e mostrou estar do lado do povo que, segundo ele, é quem tem a verdade”.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Em Havana, os irmãos Castro torcem contra o impeachment de Dilma

Ai de quem não aplaudir! Em Cuba nunca houve golpe e vigora a democracia como o PT gosta.
Ai de quem não aplaudir! Em Cuba nunca houve 'golpe'
e vigora a democracia como o PT gosta.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Entre os poucos governos comunistas ou bolivarianos que vão ficando no continente, o regime de Raúl Castro continua na dianteira do apoio à  presidente Dilma Rousseff para evitar seu impeachment.

arafraseando os slogans de líderes petistas e lulistas – ou vice-versa –, Raúl condenou o “golpe de Estado parlamentar” contra o “governo legítimo do Partido dos Trabalhadores (PT)”, numa declaração oficial distribuída pelo Ministério de Relações Exteriores em Havana, noticiou o jornal “La Nación” de Buenos Aires.

Como é bem sabido, em Cuba nunca houve “golpe de Estado”, ou pelo menos Raúl Castro nunca participou de nenhum deles, defendendo sempre a legitimidade dos governos democráticos até a hora de fuzilar seus representantes.

“Setores da direita representantes da oligarquia [N.R.: é Raúl Castro quem fala, e não um líder  do PT ou do PC do B], em contubérnio com a imprensa reacionária do Brasil, apoiados abertamente pelas multinacionais da comunicação e do imperialismo, consumaram na Câmara de Deputados desse país o primeiro passo daquilo que constitui um golpe de estado parlamentar”.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

A bondade venceu o ódio






A irreligiosidade, a imoralidade, a mentira, a falta de cordura, o espírito de vingança, a ausência de amor à Pátria (cujos interesses foram substituídos pelos da ideologia do partido), o ódio entre classes e raças — tudo isso promovido durante 13 anos pela gestão petista —, refletiram-se em alguma medida nas fisionomias, nos gestos e nas palavras de certos parlamentares que defendiam o governo contra o pretenso “golpe”, levando ao resultado de 367 votos contra 137.

Tenho lido, um pouco por toda parte, críticas ao voto dos deputados pró-impeachment que no último domingo, 17 de abril, o fizeram em nome de Deus, da Pátria, da família e dos filhos, entre outras menções.

Não morro de vergonha, antes pelo contrário, orgulho-me de dizer que, como brasileiro e como católico, estou do lado deles, embora saiba que muitos não são católicos, nem levam uma vida familiar consentânea com os sentimentos ali expressos.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Maduro sai em defesa de Dilma após pedir às venezuelanas se pentearem com os dedos

Maduro reage contra impeachment e defende Dilma e 'soberania' ameaçada pelo 'império'
Maduro reage contra impeachment e defende Dilma e 'soberania' ameaçada pelo 'império'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, se apressou a manifestar solidariedade à sua colega Dilma Rousseff, que desde domingo 17 de abril está em processo de impeachment aberto pela Câmara dos Deputados com maioria de dois terços como prescreve a Constituição.

Segundo “La Nación” de Buenos Aires, enquanto o povo brasileiro comemorava o “impeachment” nas ruas, Maduro garantia que a “direita” na América latina está tentando desconhecer a soberania da região.

O tweet circulou logo após os deputados brasileiros votarem livre e soberanamente o processo de destituição da companheira ideológica do regime chavista.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Desesperados por alimentos, ignorados pelos “defensores dos pobres”

Até o pão falta na outrora opulenta Caracas
Até o pão falta na outrora opulenta Caracas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



A descida aos infernos da miséria cubana parece inevitável na Venezuela. O governo socialista vem atribuindo a culpa a inimigos fantasmagóricos em discursos histéricos e irreais: o “império”, a “guerra econômica” promovida por não se sabe bem quem, os emigrantes; a falta de alimentos como se fosse um ente que age por si mesmo; a ausência de medicamentos provocada por todos esses fantasmas.

Mas a aguda carência de quase tudo é uma experiência cotidiana dolorosa, humilhante e muito real. O vírus Zika passou a ser mais um pretexto pelos abusos do regime. Mas os mosquitos se multiplicam assustadoramente e a população não encontra repelentes para evitar o contágio nem antivirais e/ou analgésicos para cortar a febre de qualquer doente, segundo “La Nación”.

Em Acarigua, estado Portuguesa, uma avalanche de desesperados derrubou os obstáculos que lhe impediam ingressar num supermercado atingido pelo racionamento.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Lição da Argentina: só na propriedade privada há futuro para as empresas

Maior fábrica das colheitadeiras da Argentina risca a falência por maus negócios com a Venezuela.
Maior fábrica das colheitadeiras da Argentina risca a falência
por maus negócios com a Venezuela.



A instalação do novo governo argentino presidido por Maurício Macri veio destampar um poço como que sem fundo de desordens ideológicas e econômicas no Estado argentino, aberto pelo derrotado esquema nacionalista kirchnerista.

Entre as empresas quase falidas deixadas pela administração bolivariana-socialista está a Vassalli Fabril, que ainda pode dizer que é a maior fábrica nacional de colheitadeiras, segundo noticiou “La Nación” de Buenos Aires.

Por manobras estatistas, ela obteve um contrato para fornecer 245 colheitadeiras para a Venezuela de Nicolás Maduro, em 2014.

quinta-feira, 17 de março de 2016

segunda-feira, 14 de março de 2016

13 de Março: o dia em que a esquerda perdeu a partida da popularidade

13 de março de 2016: avenida Paulista, São Paulo
13 de março de 2016: avenida Paulista, São Paulo





Estive na Av. Paulista neste Domingo 13 de Março. E posso garantir, pelo que me foi dado observar, que a esquerda perdeu, mesmo, a partida da popularidade.

Ali estava uma amostra gigantesca do Brasil (mais de um milhão e 400 mil pessoas, segundo a Polícia Militar - foto 1).

Era a reprodução do que se deu neste dia em centenas de cidades de Norte a Sul do Brasil e com números muito impressionantes!

A começar pelo Rio de Janeiro, em que a orla de Copacabana foi literalmente tomada pela multidão estimada em um milhão de pessoas (foto 2).

O que dizer de Fortaleza, de Salvador, de Belém, de Curitiba, de Porto Alegre, de Natal, de Maceió, de Brasília, de Vitória, de Goiânia, de Campo Grande, de Recife, de Florianópolis e de tantas outras cidades com números igualmente impressionantes?

Cordialidade e distensão

Pessoas de todas as idades, das mais diversas condições e classes sociais, dos mais variados graus de cultura, de todas as origens raciais, irmanadas num imenso NÃO ao PT, a seus personagens principais Lula e Dilma e a tudo o que estes e a sigla representam. “Nossa bandeira jamais será vermelha” era o brado de muitos e a certeza de todos.

domingo, 6 de março de 2016

Colômbia: onde vai se extinguindo a liberdade
de se expressar contra falsos “Acordos de paz”



Como anunciamos, estava marcada para o dia 3 do corrente mês uma conferência em São Paulo do Coronel Luís Alfonso Plazas Veja, mas infelizmente ele não pôde comparecer.

Herói da resistência da Colômbia ao comunismo e ao narcoterrorismo, o valoroso militar faria uma exposição sobre a retomada do Palácio de Justiça da Colômbia.

Esse Palácio foi invadido em 1985 pelo movimento guerrilheiro M-19 com o objetivo de dar um golpe e implantar o regime comunista naquele país.

Os guerrilheiros executaram magistrados, funcionários e pessoas do público que se encontravam no Palácio de Justiça.

Em meio àquela tragédia, o Cel. Plazas Vega recebeu autorização de seus superiores para reconquistar o Palácio.

Ao perceberem a eficaz reação liderada por ele e que perderiam no confronto, os guerrilheiros atearam fogo no edifício, deixando um saldo de 94 mortos.

Em síntese, a operação militar foi um sucesso, conseguindo retomar o Palácio de Justiça e salvar a vida de 260 reféns.