segunda-feira, 12 de junho de 2017

Francisco I vira as costas para o Brasil e a Argentina e assume liderança das esquerdas

Recebendo Stédile: o Papa Francisco estende a mão para todas as esquerdas
Recebendo Stédile: o Papa Francisco estende a mão para todas as esquerdas.
Mas não quis saber nem do 300º aniversário de Nossa Senhora Aparecida
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Papa Francisco não viajará ao Brasil e à Argentina em 2017, nem sequer no próximo.

A decisão não caiu bem no ambiente católico brasileiro, que no próximo mês de outubro comemora o terceiro centenário de sua Padroeira, Nossa Senhora Aparecida.

Durante sua visita ao Rio de Janeiro, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, o Pontífice prometera voltar.

Mais inexplicável é sua recusa de visitar a Argentina que o viu nascer, onde transcorreu grande parte de sua vida religiosa, e de cuja capital foi cardeal-arcebispo, além de primaz do país.

É verdade que na Argentina o então cardeal Bergoglio granjeou a antipatia geral da opinião pública.

Ele se engajou tortuosamente na promoção política da esquerda ligada ao governo populista-socialista do casal Kirchner.

Uma vez em Roma, ele também acolheu, na condição de membros laicos de órgãos dele dependentes, conhecidos agitadores esquerdistas ligados ao desprestigiado apparatchik socialista-peronista.

Seu desentendimento com o povo católico argentino tomou grandes proporções pelo seu ostensivo mau humor externado em relação ao atual governo de Mauricio Macri.

Papa Francisco recebendo a ativista argentina Milagro Sala, hoje na prisão por múltiplos processos de corrupção violência e sangue.
Papa Francisco recebendo a ativista argentina Milagro Sala,
hoje na prisão por múltiplos processos de corrupção violência e sangue.
E cresceu pelo acobertamento dado por ele a ativistas opositores, alguns deles presos ou indiciados pela Justiça até por crimes de sangue.

Em abril, segundo escreveu o site Urgente24 com informações vindas da esquerda eclesiástica da Argentina e de Roma, o pontífice cumpriu intensas atividades que incluíram uma visita ao Egito.

Segundo o referido site, voltando do Cairo, Francisco telefonou a Luis Liberman, um velho amigo de religião protestante, diretor-geral da Cátedra do Diálogo e da Cultura do Encontro, ideologicamente afim com a linha do pontificado. A razão foi cumprimentá-lo pelo aniversário.

Liberman lhe pediu que no próximo ano viajasse à Argentina. A resposta foi: “Não está em minha agenda”. Porém viajará ao Chile e ao Peru.

A negativa foi clara, o pretexto não foi convincente, e o anúncio da visita ao Chile piorou ainda mais.

A Santa Sé tentou consertar a informação, mas sem acalmar as especulações já espalhadas, inclusive entre os amigos do pontífice.

Só o governo argentino teria recebido a notícia como positiva, considerando as amizades seletivamente oposicionistas que o pontífice cultiva no país.

A então chanceler argentina Susana Malcorra disse à imprensa: “o Santo Padre foi convidado em reiteradas ocasiões. O convite da Argentina está feito”.

Em Roma, o site Vatican Insider, próximo ao Papa, descreveu o relacionamento do Pontífice com os presidentes brasileiro e argentino sob a manchete “Em rumo de colisão”.

A causa é o fato de as Conferências Episcopais dos dois maiores países sul-americanos terem escolhido uma via de confronto com os respectivos governos.

Após as sucessivas mortes de líderes comunistas e derrotas eleitorais de seguidores, o Papa Francisco foi ficando como o faro que orienta esquerdas sulamericanas.
Após sucessivas mortes de líderes comunistas e derrotas eleitorais de adeptos,
esquerdas sul-americanas voltam-se para o Papa Francisco como para seu farol
O vaticanista Alvear Metalli sublinhou a nota na qual a CNBB critica uma hipótese de reforma da Constituição acenada pelo presidente “porque gera exclusão social e prejudica os setores mais frágeis da sociedade”.

A nota também fez um convite para participar de mobilizações contra o governo.

Não poucos bispos brasileiros, segundo o vaticanista, “foram mais longe e pediram abertamente aos fiéis de suas dioceses que saíssem à rua e aderissem à greve geral”.

Foram os casos do bispo de Barra do Piraí-Volta Redonda, D. Francesco Biasin, e de D. Fernando Saburido, bispo de Olinda e Recife.

Na Argentina, as críticas da militância esquerdista e de certos bispos se concentraram nas propostas do presidente, especialmente na expulsão dos estrangeiros que cometeram “atos de criminalidade organizada” em seu país de origem. A medida visa conter o narcotráfico.

Outros pontos de colisão foram o projeto visando rebaixar a idade de imputabilidade criminal para 14 anos e uma ação policial que dispersou indígenas que bloqueavam uma linha ferroviária na Patagônia.

Não espanta que pelo menos na Argentina o Papa Francisco seja visto como o principal líder das esquerdas, em crise no continente. E que, em revide, ele não queira nem sequer visitar o país onde nasceu.



2 comentários:

  1. Por falar em Francisco, amigo dos ditadores Castros, vemos agora a grande imprensa tendenciosa e opositores hipócritas atacando Trump sobre suposta informações aos russos... Mas aqui* a contra-informação denunciando os comunistas "democratas" adeptos do satanismo, do aborto livre e eco-comunismo, (amigos e aliados) de George Soros; dos inimigos da América, do Ocidente, de Israel e da Doutrina da Santa Igreja: como o Irã, o feminismo, ativismo LGBT, a ONU e o (regime cubano amiguíssimo de Putin). Eis a falsa oposição ao próprio "presidente" russo:

    Obama passou informações secretas para Cuba

    "Vários legisladores notaram, naquele momento, que o acordo poderia resultar no envio, da parte do governo comunista, de informações sobre os EUA ao Irã. (...)
    O deputado republicano Mario Diaz-Balart, membro cubano-americano do Congresso, caracterizou o acordo da administração Obama com Cuba como “imprudente, perigoso e contrário aos interesses de segurança nacional dos EUA”."


    * http://midiasemmascara.org/media-watch/noticias-faltants/comunismo/eua-obama-ordenou-que-inteligencia-compartilhasse-informacoes-confidenciais-com-cuba/

    É o "acuse o que você faz, chame-o do que você é" Tão usado pelos comunistas!

    Viva Trump! Não a Nova Ordem Mundial.

    ResponderExcluir
  2. Cara.
    Bergoglio esta destruindo a Igreja desde quando assumiu a cátedra de Pedro.
    Anti papa maldito.
    Pior e que muitos católicos estão seguindo os passos deste desgraçado.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.