domingo, 6 de dezembro de 2009

Hondurenhos repelem "chavismo" de Lula


O serviço que a diplomacia lulista está prestando ao presidente venezuelano Hugo Chávez e seu “socialismo do século XXI” não só está demolindo a diplomacia brasileira, merecidamente coberta de glórias e respeitabilidade, desde o admirável trabalho do barão de Rio Branco.

A nova diplomacia lulista está semeando consternação na América Latina e isolando o Brasil.

Um dos indícios sintomáticos dessa demolição do prestígio de Itamaraty está na matéria publicada pelo “O Estado de S.Paulo” em 6-12-2009 que transcrevemos a continuação.

Jornais governistas atacam o Brasil ‒ Para imprensa hondurenha, Lula atua contra a democracia do país

“Se houver derramamento de sangue, mortos e mais episódios de violência e terrorismo, será pela ingerência do presidente Lula.” A advertência, com grande destaque, foi feita num artigo que ocupou uma página do El Heraldo, principal jornal hondurenho e claramente pró-governo de facto, no dia 23, quando a população do país foi às urnas para eleger um novo presidente num clima de medo e intimidação.

De autoria do escritor e dissidente cubano Armando Valladares (foto), ex-embaixador dos EUA, sob o título A Decadência da Diplomacia Brasileira, o artigo dá a medida de como parte da imprensa hondurenha vê o Brasil - um país interventor e defensor do “socialismo bolivariano”. Só não é pior que a Venezuela de Hugo Chávez, dizem.

Em geral, ao descrever a divisão da comunidade internacional em relação às eleições hondurenhas, El Heraldo costuma colocar, de um lado, as “nações democráticas” que estão dispostas a aceitar a votação, como os EUA e a Colômbia. De outro, os “chavistas” - liderados, curiosamente, pelo Brasil.

As críticas começaram a crescer quando o governo brasileiro decidiu abrigar o presidente deposto Manuel Zelaya na embaixada. O tom subiu com o anúncio de que o País não reconheceria as eleições da semana passada e a proposta, feita dias antes, para o seu adiamento.

A maior parte dos meios de comunicação hondurenhos apoia abertamente o governo de facto. No dia das eleições, por exemplo, as TVs faziam chamadas constantes para que a população votasse, numa tentativa de garantir o alto comparecimento, após Zelaya pedir um boicote geral à votação.

Apresentadoras se emocionavam ao ver “famílias unidas votando juntas” e mostravam o dedo manchado de tinta para provar que também haviam participado da “festa cívica”.

A maior parte da população hondurenha ainda é simpática ao povo brasileiro e, muitos, até em relação ao governo, considerado por eles uma “esquerda moderada”. Cada vez mais, porém, surgem críticas quando o nome de Lula é levantado em uma conversa. “Diga ao seu presidente para parar de se intrometer em assuntos hondurenhos”, gritou uma senhora na fila de votação, ao saber que havia jornalistas brasileiros no local.

“Nem o Brasil nem nenhum outro país pode nos pedir para não comparecer às urnas. Se nós não tivermos um presidente, quem vai nos governar no ano que vem? O presidente Lula?”

Gostaria receber no meu email, gratuitamente, atualizações de 'O que está acontecendo na América Latina'

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.